|

terça-feira, setembro 19, 2006

Papa incendiário, ou "quem tem cu tem medo"?

Hoje no Público, de um artigo de José Vítor Malheiros (texto completo aqui), cito:

...o Papa Bento XVI não pode dizer o que disse em Ratisbona. As suas palavras, se foram medidas, mostram-nos um papa calculistamente incendiário e apostado em alimentar e liderar um conflito de religiões.

É evidente que isso [a agressividade dos radicais islâmicos] também existiu no mundo cristão - as conversões à espadeirada, os massacres de "infiéis", os autos-de-fé e a Inquisição (cuja versão modernizada Ratzinger dirigiu) são páginas negras da história "ocidental" e é verdade que continua a haver quem faça do cristianismo uma leitura retrógrada, fundamentalista e agressiva (certos evangelistas norte-americanos são um exemplo).

...

não se pode pôr de lado a acção política e deixar de tentar compreender o fenómeno do terrorismo para erradicar as suas causas e para dissolver a base de recrutamento dos terroristas.

Mais um advogado da censura em nome da irritação islâmica.

Na minha terra percebe-se logo o que se passa aqui: quem tem cu tem medo. E o medo é mau conselheiro; onde era necessário estar firme vemos proliferar um sem número de posições, como dizer?, de cócoras. (Nem todas!)

Haverá mensagem mais clara a enviar aos bombistas para lhes mostrar que o crime compensa?

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home


Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com